shutterstock_117941986

Líderes do setor de equipamentos odontológicos, Dabi Atlante e Gnatus anunciam fusão

Dabi Atlante e Gnatus anunciam fusão com foco em exportações

Concorrentes históricas do setor de equipamentos odontológicos surpreendem mercado ao se unirem.

IMG_3057-0Duas tradicionais concorrentes do mercado odontológico brasileiro, a Dabi Atlante e a Gnatus, surpreenderam o mercado nesta segunda-feira, 12 de janeiro, ao anunciar que iniciaram um processo de fusão entre si. As empresas aguardam aprovação do Cade – Conselho Administrativo de Defesa Econômica para dar sequência no processo.

Somadas, as operações das duas companhias contam com 1.100 colaboradores, vendas estimadas para este ano de R$ 300 milhões, e exportações para cerca de 150 países. As empresas, que têm sede em Ribeirão Preto (SP), emitiram um comunicado afirmando que o objetivo da fusão é a criação de uma companhia mais forte e competitiva, com maior atuação global e com foco não só na área odontológica, mas também em outros segmentos da saúde.

Dabi Atlante e Gnatus afirmam ainda que suas marcas devem permanecer inalteradas e atuando separadamente. As fabricantes enfatizam que a fusão não afetará as condições comerciais de cada companhia, sendo que a atual concorrência em algumas linhas de equipamentos odontológicos será mantida em vigor.

“Apesar da concorrência acirrada, sempre houve uma admiração mútua entre a Dabi e Gnatus. Com a entrada de novos players no mercado e o assédio internacional às companhias, sentimos a necessidade conjunta de potencializar nossas atuações no segmento da saúde através de uma fusão”, analisa Pedro Biagi Neto, presidente da Dabi Atlante.

“A fusão surge a partir de um processo maduro para garantir a consolidação das duas companhias e capacitá-las para entrarem em outros segmentos e mercados. A inovação faz parte do DNA das duas empresas que continuarão oferecendo novos produtos e serviços ao mercado”, afirma Gilberto Nomelini, presidente da Gnatus.

As empresas aguardam o sinal verde do Cade para anunciar o Conselho Administrativo que vai dirigir a empresa. Até lá todas as atividades, funções e cargos seguem de forma normal e independente. O plano é que as duas empresas consigam crescimento anual de dois dígitos, acima da média do mercado de 8%, conforme dados da Abimo – Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios.

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *