balada

Beijo daqui… Beijo dali… Conheça os riscos da folia

Mononucleose, herpes, hepatite B… Uma folia na balada!

Cena comum nas baladas é ver pessoas trocando beijos no embalo da noite. O ato, que aparentemente não apresenta perigo, deve ser encarado com cautela. Doenças como a mononucleose, herpes e hepatite B podem ser transmitidas pela boca. Muitas vezes as pessoas têm o vírus, mas não sabem…

Isso porque, em muitos casos, essas doenças não se manifestam e nem apresentam sintomas visíveis. Apenas de olhar não é possível descobrir quem tem um ou outro tipo de vírus. E a pessoa pode transmitir a doença mesmo sem saber que está contaminada.

Além de higiene e bom senso social, alguns cuidados podem ser tomados para se prevenir. O único modo de não correr o risco de pegar alguma das doenças é não beijar. Para correr menos risco, o ideal é limitar o número de parceiros ou parceiras. Quanto mais beijar, mais exposto você fica. Além disso, é importante observar se a pessoa tem lesões aparentes na boca, como ferimentos, fissuras ou sangramentos, o que é praticamente improvável que se faça numa balada.

Com noites mal dormidas, bebidas e uma alimentação irregular, a resistência do corpo cai e a chance de um vírus se multiplicar aumenta. Por isso, é importante tentar comer bem, se hidratar e tentar descansar o máximo possível para minimizar a baixa residência do corpo.

A mononucleose, também conhecida como “doença do beijo”, acomete principalmente jovens de 15 a 25 anos e os sintomas são febre, cansaço, dor de garganta e ínguas na região do pescoço. Por conta do mal-estar que causa, essa doença é muito confundida com uma gripe forte, fique atento.

Já a herpes pode ser reconhecida caso a pessoa apresente vesículas (bolhas com líquido) nos lábios ou ao redor dos lábios, o que nem sempre ocorre, ou crostas de cicatrização das vesículas (fase final da herpes). Uma vez que você pegou herpes, terá o vírus para o resto da vida, mas as feridas só aparecem quando a resistência do corpo cai por conta de muito sol ou stress, por exemplo.

A hepatite B, transmitida principalmente via contato sexual sem proteção, também dá o “ar da graça” em noites agitadas com relacionamentos, e pode passar através da boca por causa do sangue contaminado. Isso pode acontecer se você tiver um machucado na boca e o parceiro também. Os sintomas principais são febre no final da tarde e enjôos. Também é possível ficar com a pele amarelada, mas isso é mais comum na hepatite do tipo A. Quem tomou a vacina não precisa se preocupar.

Então fica o alerta para as horas de festa… E só para não deixar de completar a conversa… Se a noite se prolongar, lembre-se que a AIDS também está por aí.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *